quarta-feira, 28 de novembro de 2007

remando.


"Pode ser que o barco vire
também pode ser que não..."

- Ficarei longe por uns dias, mas volto em dezembro... dia 4 .

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

sobre o tempo.

Depois de assistir ao programa Provocações desta quarta-feira, não poderia deixar de postar a poesia que Abujamra recitou e me tocou.

A vida são
Deveres que nós
Trouxemos para
Fazer em casa

Quando se vê já são
Seis horas...
Quando se vê já é
Sexta feira...
Quando se vê já é
Natal...
Quando se vê já
Terminou o ano

Quando se vê, não
Sabemos mais por
Onde andam nossos amigos

Quando se vê,
Perdemos o amor da
Nossa vida

Quando se vê,
Passaram-se 50
Anos

Agora, é tarde demais
Para ser reprovado

Se me fosse dado,
Um dia, uma
Oportunidade,
Eu nem olhava o
Relógio

Seguiria sempre e em
Frente e iria.
Jogando pelo
Caminho. A casaca
dourada e inútil das horas

Seguraria todos os meu amigos,
Que já não sei onde e como
Estão e diria
Vocês são extremamente
Importantes para mim

Seguraria o meu amor,
Que está, há muito, à
Minha frente, e diria:
Eu te amo

Dessa forma, eu digo
Não deixe de fazer algo
Que gosta devido à
Falta de tempo.

Não deixe de ter alguém
Ao seu lado, ou de fazer
Algo, por puro medo
Se ser feliz.

A única falta que será, será desse tempo
Que infelizmente
Não voltará mais.

[Mário de Miranda Quintana ]

__________________________





















Serve para todos nós.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

aniversário.

é tão bom...

T.er a certeza que

E.ncontrei uma

A.miga

M.ais que irmã e poder dizer

O.brigada por fazer parte de minha vida!

Monique, Nique, Nicola, Niquita...sei lá, minha amiga.

* FELIZ ANIVERSÁRIO *


segunda-feira, 12 de novembro de 2007

permitir.

porque a gente tem que se permitir duvidar...
até onde a dúvida pairar.
porque a gente tem que se permitir viajar...
e ir até onde a imaginação alcançar ou a estrada nos levar.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

satélites do meu quarto.

Quando os dias parecem mais longos e a estrada parece não ter mais fim, debruço-me na leitura do céu. para mim ele escreve sobre fatos, delírios, desejos, sonhos e outras coisas mais. eu leio e abraço o que está nas entrelinhas. eu tenho um céu particular e estou me referindo a ele. nele há estrelas, planetas, um sol e luas. isso mesmo, no meu céu há mais de uma lua. elas iluminam o meu quarto durante a noite com luz fosforescente que dura o tempo necessário para meus olhos adormecerem. e quando meus olhos adormecem eu me componho, canso, sonho, componho, me canso e me sonho.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

diz.


não é tudo que se sente. não é tudo que se diz. e nem tudo que se sente se diz. às vezes a gente diz o que sente. outras vezes a gente só sente quando diz.