quarta-feira, 9 de novembro de 2011

os órgãos e seus sentidos.


é preciso muito tato para conseguir apertar a mão
de quem a visão enxerga o quão incolor é a alma.
e é  necessário muito paladar para engolir as palavras insípidas,
que a audição capta,
de uma boca que por vezes o olfato reconhece como inodora.

domingo, 6 de novembro de 2011

dias cinzas.


nunca gostei tanto de dias cinzas como agora.
a nostalgia vinda de brinde com a cor do céu nublado invadiu meu dia
como a poesia que é lida para aguçar o nosso despertar pelo belo.
não tive medo de abrir a janela do quarto porque sabia que junto disso
viria algo parecido com uma brisa, que dificilmente acontece por aqui.
com toda a sua licença, vou deleitar-me com esse céu cinzento que o bom tempo trouxe para mim. para nós.