quarta-feira, 17 de março de 2010

para um todo melhor.

Certa vez li que se pensássemos em todas as consequências dos nossos atos sequer sairíamos do lugar. Isto não se trata de verdade ou mentira, é fato.
Entendemos que a palavra "todas" remete a um inteiro teor, toda a gente, todo o mundo, tudo, etc e tal. Então, pensarmos nisso é complicado.

Já que é assim, complexo, e tendo em vista que somos seres racionais feitos para combinar ideias, nossos atos devem ser ao menos dosados com prudência. Para isso não precisamos formar pensamentos com o todo/tudo e nem pesar todas as consequências para então tomarmos alguma atitude, basta pensarmos em pelo menos um item da lista. Creio eu.
Então,
antes de gritar, é bom que lembremos ao menos de como a garganta fica dolorida depois disso;
ao correr no volante, é interessante que não esqueçamos dos sinais vermelhos que virão à frente;
antes de zombar, olhemo-nos no espelho;
antes de machucar alguém, pensemos em pelo menos uma outra pessoa que, por consequência, também irá se ferir porque quase ninguém vive sozinho no mundo;
Nós sabemos o quanto errar é fácil e pedir desculpas é ainda mais.
Devido a isso, tomara que todos os dias ao acordarmos, pensemos em pelo menos um item do tudo.
Amém.

assim fez um séquito.

ele olhou para cima porque é assim que pensa melhor; rabiscou no papel pequenos trechos de conversas, pensamentos e fatos passados; injetou no peito um líquido cintilante que mais parecia a bebida púrpura; digitou letras que se ditas olho no olho enxugaria à seco toda a história que por um bom tempo foi molhada; ligou o sensor de choque para se proteger de armadilhas e gritou em silêncio que jamais entregará aos maus uma ponta sequer de afeto.
feito isso, passou a não mais ser um séquito.